Biblioteca Pública de Estocolmo
Concurso de Arquitectura, 2006


    Os objectivos do programa do concurso para a extenção da Biblioteca Pública de Estocolmo, desenhada pelo Arquitecto Gunnar Asplund, indicam uma redefenição do modelo de biblioteca num espaço que irá mais do que quadruplicar a área de acesso público actualmente existente, de 3 700 m2 para 16 000 m2. Perante o crescimento populacional estimado e o desenvolvimento previsto para Estocolmo nas próximas décadas, o desafio em estudo consiste em adequar o espaço da biblioteca à realidade presente segundo expectativas futuras. O novo espaço, lugar por excelência de combate à alienação e à segregação deve testemunhar sem quaisquer reservas e restrições, a interacção temporal e geracional entre homens e mulheres livres e constituirá um decisivo factor, não só para o desenvolvimento da própria cidade, como de toda a Região de Mälar, continuando a ser o mais importante centro de acesso livre e gratuíto, à educação, informação, conhecimento e cultura, com importância estratégica decisiva para garantir a revitalização e a consolidação da sociedade democrática sueca.
O conceito holístico baseia-se na dicotomia natural/artificial e no reconhecimento da interacção entre edifícios e envolvente. O suporte natural desta área da cidade, caracterizado pelo que resta da topografia original, resíduo da memória de Stockholm Ridge, evidência o conflito que moldou o desenvolvimento de uma parte estruturante da urbe e desvenda o material genuinamente holístico na sua relação com a história que, remete para a presença (resto) versus ausência (eliminação) de elementos significativos da paisagem de Estocolmo, num processo simultâneo de obstáculo ao desenvolvimento urbano e fonte de recursos locais destinados à construção da própria cidade.
Como parte do processo de evolução da cidade, uma nova nave redefine a escala do vazio, entre a encosta Norte de Observatory Hill e Odenplan. Arquitectonicamente esta nave é constituída por elementos estruturais de betão branco pré-esforçado de alta resistência, combinados em sistema em alternância de cheio e vazio, com áreas envidraçadas contínuas. Em conjunto percorrem o espaço aéreo sobre os três edifícios anexos desenhados pelos arquitectos E. Lallerstedt e P. Hedqvist, e descem até ao solo. A disposição destes elementos acentua a relação de Observatory Hill com Odengaten, multiplicando os “blocos paralelos” e respectivos intervalos, transportando a luz e o ambiente natural que Observatory Hill proporciona para o interior do espaço da Biblioteca, tantas vezes quantas o número de intervalos de envidraçados.

 

francisco portugal e gomes, arquitecto

filosofia  trabalho  contacto  biografia  publicações

 

Casa Fonte da Giesta, S. João da Pesqueira, 2010/

Casa de Cortiça, Bairro do Amial, Porto, 2009/

Biblioteca Pública de Estocolmo, Concurso de Arquitectura, 2006

Museu Ponte da Academia, Veneza, Concurso Internacional, 2006

Restaurante + Casa de Chá, Porto, 2004/2009

Casa no Lugar da Costa, Lousada, 2004/2005

Emp. Turístico Qta. Vale Covo, Pessegueiro do Vouga, Concurso de Ideias, 2004

Casa em Sever do Vouga, Concurso Limitado, 2003

Clínica de Ginecologia e Obstetrícia, Vila Nova de Gaia, 2002/05

Pavilhão de Refúgio, Quinta em Santiago, Penafiel, 2002/05

Casa H, Penafiel, 2002/03

Edifícios de Exploração, Águas do Douro e Paiva, Lever, Concurso Ltdo., 1999

Recuperação da Casa da Quinta de Senhora da Guia, Penafiel, 1996/05

Casa Milhundos, Penafiel, 1996/02

Conjunto Habitacional do Outeiro I, - P.E.R., Maia, 1996/99
Design de Produto

< >

português | english